Respeita as Mina

Respeita as Mina

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Governo do Estado homenageia literatura negra na bienal do livro

Serão investidos mais de um milhão e trezentos mil reais, em programação cultural, vale-livros e apoio direto ao maior evento literário da Bahia. Durante 10 dias, o livro ganha o centro das atenções da Bahia....

Mais uma vez, o Governo do Estado é o Patrocinador Master da Bienal do Livro da Bahia que, em sua 11º edição, acontece de 08 a 17 de novembro, no Centro de Convenções, em Salvador, com 385 expositores.

Entre os órgãos governamentais presentes, as secretarias de Turismo (Setur), de Educação (SEC) e de Cultura (SecultBA) programaram uma série de atividades envolvendo o livro, a leitura e a literatura. Em uma área de 220m², a SEC e a SecultBA, por meio de suas unidades vinculadas, apresentarão uma mostras das políticas públicas de acesso ao livro, estimulo à leitura e fortalecimento do mercado editorial baiano. Diariamente, haverá presença de autores para leituras públicas, contação de histórias, lançamentos, oficinas e debates em torno da cadeia produtiva e criativa do livro da Bahia.

Além do estande institucional, a Fundação Pedro Calmon, unidade da Secretaria de Cultura da Bahia, viabilizou, pelo segundo ano, a presença de oito editoras selecionadas por meio edital, para compor o espaço Editoras Baianas, onde comercializarão as produções locais, divulgando escritores da Bahia. As editoras que farão parte do estande são: Cogito, Vento Leste, EPP, Pimenta Malagueta, Piraúna, Mondrongo – Teatro Popular de Ilhéus, Quarteto e Solisluna.Um terceiro espaço de atividades é a Biblioteca Móvel, que estará presente com um veículo adaptado com estantes e centenas de obras de diferentes gêneros, oferecendo programação diária para jovens e crianças.

Para o secretário de Cultura da Bahia, Albino Rubim, a Bienal do Livro da Bahia faz parte da política do livro e leitura desenvolvida pela Secretaria de Cultura e pelo Governo da Bahia. “Ela busca não só estimular a leitura e difundir o livro, mas também estimular o mercado editorial, em especial, alternativo e baiano. Nesta perspectiva, pela segunda vez consecutiva vamos apoiar um espaço específico para as editoras baianas. Além disto, como a Bienal está sendo realizada em novembro, mês da consciência negra, e como recentemente tivemos a posse na Academia de Letras da Bahia de Mãe Stella de Oxossi, vamos prestar uma justa homenagem a escritores negros, que vem enriquecendo a diversidade da cultura baiana”, destaca o secretário.

Vale-Livros
A articulação entre as secretarias de Educação e de Cultura garantirá um investimento de mais de R$1.300,00 (um milhão e trezentos mil reais). Além disso, R$600 mil serão destinados a vale-livros, permitindo que profissionais da Educação e da Cultura, professores e estudantes da rede pública estadual de ensino adquiram livros e periódicos com bônus de R$ 10. Os vale-livros poderão ser utilizados nos estandes de expositores cadastrados, até 30/10, no portal: www.fpc.ba.gov.br. A medida beneficia também agentes de leitura, pontos de leitura e bibliotecas comunitárias do estado.

No dia 11/11, 15h, na programação da Bienal, a SEC e a SecultBA realizam o seminário“Ditadura Militar – Direito à memória”, com a presença dos professores Paulo Pontes e Renato da Silveira. O debate dará início a uma série de atividades programadas para o ano de 2014, quando completará 50 anos do golpe militar no Brasil. Ainda fruto do alinhamento entre as pastas de Educação e Cultura será lançado, durante a XI Bienal do Livro, o Plano Estadual do Livro e da Leitura, com diretrizes de políticas públicas para o setor. Na oportunidade também será divulgado o Edital que selecionará 42 obras literárias infantis ilustradas, inédita ou não. As obras contempladas serão editadas e impressas pelas Secretarias e utilizadas no âmbito do Programa Pacto pela Educação que visa alfabetizar todas as crianças com até sete anos de idade. Os vencedores receberão R$ 10 mil para cada obra selecionada.

Letras Negras
A literatura negra inspira a temática do estande do Governo, através de homenagem a importantes representantes da cultura afro-brasileira, entre eles Deoscóredes Maximiliano dos Santos, o Mestre Didi (1917-2013), o historiador Ubiratan Castro (1948-2013), o estudioso Edison Carneiro (1912-1972), o poeta Jonatas Conceição (1952-2009), entre outros. Na programação que enfocará as Letras Negras, dia 09/11, 19h, acontece um bate-papo e sessão de autógrafo com o ator e escritor, Aldri Anunciação, autor da obra Namíbia Não!, vencedora na categoria Juvenil do Prêmio Jabuti – 2013. Haverá também lançamento da nova edição do livroBoi Multicor, do arte-educador Jorge Conceição (dia 09, 14h); palestra e tarde de autógrafos do livro “Uma conversa sobre Áfricas”, com o professor Juvenal de Carvalho (dia 11, 17h30); Oficina de escrita – rimas e letras de RAP, com Mr. Armeng (dia 12, 10h30) e batalha de MC´s, com Elvis Kazta (dia 12, 11h30), ambos no Território Jovem.

Entre as publicações da Secretaria de Cultura, haverá o lançamento do livro Festa da Boa Morte, da série Cadernos do IPAC/SecultBA (dia 12, 18h30) e o livro “Autores baianos: um panorama ”publicação trilíngue da Funceb/SecultBA composta por ficções e poemas de 18 autores baianos contemporâneos (dia 12, 19h). No dia 11/11, 16h, no Território Jovem, será apresentada a peça “Porque sou preta”, criação coletiva da Cia. de Teatro BIML, baseada no textoMamãe, Por Que Eu Sou Branca e Ritinha É Negra?, do escritor Jaime Sodré.

A Fundação Cultural do Estado da Bahia, Funceb/SecultBA, realizará duas edições do projeto “Escritor a Viva Voz”, com leitura de textos e presença de autores paracompartilhamento do processo de criação literária (Editais FUNCEB): com Moema Franca (dia 09, 16h) e Lima Trindade (dia 14, 16h), ambos com mediação Milena Britto. No dia 09, 16h, haverá também o lançamento do livro “Bem aqui, em lugar nenhum” com leitura pública pela atriz e gestora cultural, Maria Marighela.

Escritores
Entre os escritores que participam de Leituras Públicas ou sessões de autógrafos no estande do Governo estão: James Martins e Rafael Prazeres (dia 10, 16h), Fabiana Barros (dia 11, 10h), Adriano Eysen e Wladimir Queiroz (dia 12, 17h), Adelice Souza (dia 13, 20h), Vânia Melo e Lívia Natália (dia 15, 16h), Antônio Brasileiro (dia 16, 16h), entre outros. A programação também dará espaço para editores e livreiros, que participam do debate “O poder do livro – a experiência de Frankfurt”, com André Valuche, da Libre, e Valéria Pergentino, da Solisluna (dia 11, 16h) e a oficina “Como nascem os livros?”, com Alfredo Cummings e Cátia Costa Lima, da Editora Vento Leste (dia 13, 16h). Encerrando a programação do estande, no dia 17, às 18h30, haverá a mesa de debate: “Biografia e biografados”, com os professores Rodrigo Moraes, Marcos Palácios e Emiliano José.

Para a diretora-geral da Fundação Pedro Calmon/SecultBA, Fátima Fróes, a Bienal do Livro da Bahia tem como objetivo estimular o hábito da leitura e formar novos leitores, bem como fortalecer a produção literária na Bahia. “Além de ser o maior evento literário da Bahia, a Bienal do Livro coloca em evidência as principais ações de fomento a cadeia produtiva e criativa do livro no Estado como, por exemplo, as políticas de livro e leitura, agregando as ações das secretarias de Educação e de Cultura”, destaca.

Bienal do Livro da Bahia
O evento literário mais importante do estado, onde os visitantes têm a oportunidade de se aproximar dos seus autores favoritos, folhear livros, viajar por lugares desconhecidos e participar de atividades culturais. Nos espaços reservados às atrações, o público pode participar de bate-papos com personalidades culturais e de atividades recreativas e lúdicas. Assim, livro e autor são os astros principais deste evento, que dura 10 dias. Para mais informações, acesse: www.bienaldolivrobahia.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário