+ DE 20 obras

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

FESTA DO AMPARO – “Se não mudar vai acabar”, afirma padre Josival Lemos Barbosa

A paciência do padre Josival Barbosa, da paróquia de Valença, acabou. Ontem pela Rádio Clube, durante transmissão da missa dominical, o líder religioso protestou, dizendo que as comemorações destinadas à Nossa Senhora do Amparo, Padroeira da Cidade e dos Trabalhadores, não combinam mais com as exacerbações dos festejos profanos, que são realizadas no período da novena. O pároco exige o fim da ocupação das barracas na área e nos arredores da Ladeira do Amparo, com razão. Aquilo ali virou, já há alguns anos, um ninho de ilícitos sob às bênçãos dos infieis, que aproveitam o mais forte momento de fé religiosa do município para profanar em nome do lucro, utilizando valores desestruturantes da sociedade.

Marcada pela beleza sincrética da lavagem da igreja, da reunião das famílias, amigos e devotos na novena, além da lindeza de sua sagrada procissão, o ciclo de homenagens à Nossa Senhora do Amparo tem sido caracterizado também pela falta de educação dos farristas, uso de drogas, violência e assaltos no entorno da festa.

“Demos um prazo para que, a partir de uma lei municipal, sejam proibidas as barracas e camelôs, definitivamente, em toda a extensão da ladeira. Caso não seja solucionado esse problema seremos obrigados a radicalizar, não realizando mais a festa do Amparo, improvisando, fazendo a novena um dia em cada bairro. Assim é que não dá mais. Quem quiser usar o seu crack, maconha e cocaína, que vá para outro lugar!”, enxotou o padre Josival Lemos Barbosa.

6 comentários:

  1. E as barracas da igreja que ficam coladas as escadarias principais serão também retiradas? E os grupos de jovens que durante a procissão (Momento religioso) vendem água mineral serão proibidos? A Idade Média já passou! A Igreja está querendo monopólio e lucro somente para si. Cuidado autoridades, corremos o perigo de acabar com nossas festas populares por causa de um grupo de pessoas que só pensam em si. Porque será que a Igreja não foi a primeira a dar bom exemplo e aluga o terreno ao lado para o parque de diversões? Pequenas Igrejas - Grandes Negócios!

    ResponderExcluir
  2. Retirar as barracas é fácil, retire também os impostos religiosos! Exemplos: Uma senhora na missa de finados no cemitério teve que desembolsar R$4,00 para a secretária da paróquia ler o nome de um determinado defunto, sendo a mesma dizimista da paróquia. Vende-se no adro da igreja, durante as novenas, camisas, chaveiros, livros de cantos,terços... Pelo menos é mais organizado que o calçadão de nossa cidade. Sejamos radicais! Tiremos TUDO! Todos tem direito a circulação e ao passe livre! 90% doa carros estacionados nas proximidades do adro da igreja são das pessoas das barracas da própria Igreja. Tiremos TUDO! VIVA A DEMOCRACIA! Adeus, Idade Média! Adeus, Ditadura Militar!

    ResponderExcluir
  3. O problema da Festa do Amparo não é o crack, maconha e cocaína. É a desorganização da ladeira, é somente retirar as cadeiras, mesas e ambulantes do interior da ladeira. O crack, maconha e cocaína com certeza estão no amparo todos os dias do ano, pois é um local abandonado pelo poder público e pela paróquia. Olhem de noite para lá e comprovem! Quem se arrisca a visitar aquele belo mirante e vislumbrar a vista panorâmica da cidade? Só quem estiver afim de cometer suicídio! Durante as novenas e festa muitas luzes e o resto do ano com exceção das noites onde há casamentos, tudo fica escuro, ou com algumas lâmpadas parecendo um "presépio natalino" Uma aqui, outra ali!

    ResponderExcluir
  4. OBS: Comprove que a Igreja não tem moral para falar de lucro e comércio. No blog do Pelegrini tem as fotos da procissão quando passou pela Taboca, lá no final das fotos tem alguns jovens vendendo água na hora da procissão. Isso é certo?

    ResponderExcluir
  5. Já que o adro do amparo para a paróquia e os católicos é considerado um lugar sagrado, porque promovem anualmente um evento chamado de "feira da paróquia", uma espécie de quermesse com vendas de comidas, bebidas, artesanatos, tudo com muita música profana e até mesmo serestas dançantes. Será que os barraqueiros (as) da festa do Amparo poderão participar deste evento colocando as suas barracas? A lei não deve ser aplicada apenas para os mais simples e pobres, mas para todos!

    ResponderExcluir
  6. Na festa do Sagrado Coração de Jesus, os carros não sobem até a porta da Igreja pq está tomada de toldos da própria Igreja vendendo comidas, guloseimas, bebidas, etc. O lucro vai todo para a paróquia! Será que ano que vem as autoridades também vão proibir a presença das barracas na porta da Igreja Matriz? Quem viver verá?

    ResponderExcluir