+ DE 20 obras

sexta-feira, 24 de maio de 2013

PALAVRAS de IRENE DÓRES: Canudos, Povo Solidário, Cidade Cordial...


Você acredita que na Bahia ainda exista alguma cidade onde as pessoas sejam amáveis, as ruas sejam bem largas, não existam sinaleiras, os motoqueiros não usem capacetes. Uma cidade tranquila, onde o povo transite a qualquer hora do dia ou da noite sem correr perigo. Uma cidade não contaminada pela droga e com índice quase zero de violência? Essa cidade existe, está no sertão da Bahia e se chama CANUDOS. É claro que essa tranquilidade se deve à população da cidade que é muito pequena, menos de 16 mil habitantes, mas é uma cidade fantástica. 

Ao chegar em Canudos e penetrar literalmente na história do Brasil me emocionei muito, pois a história que narro para os alunos dos cursinhos que ministro aulas, estava ali, diante dos meus olhos, de maneira clara, viva e acima de tudo forte como externou Euclides da Cunha em seus relatos. Meu primeiro encontro com a história narrada nos livros foi a visão do rio Vaza Barris, bem na barragem do açude construído para reservar água do rio que há anos atrás foi palco de uma guerra desigual entre Canudos e o Exército Brasileiro, que veio ao sertão baiano para garantir o fortalecimento da República contra um povo que não representava perigo real na manutenção do regime de governo recém instaurado. 

O rio Vaza Barris se encontra muito seco, pois não chove na região há dois anos e suas águas sustentam um perímetro irrigado que fortalece a economia da região. Quando chegamos à cidade caiu uma forte chuva e os moradores falavam em tom de brincadeira que “a delegação do Fórum de Cultura da Bahia trouxe a chuva para nós, sejam bem-vindos”. Apesar de estar acostumada com as constantes chuvas aqui na minha região, adorei que lá estivesse chovendo, pois as águas do rio Vaza Barris começaram a aumentar o volume mesmo que ainda de forma insignificante, coisa de dois metros. 

Canudos é uma cidade cuja economia se baseia na criação de caprinos para corte, na participação do DNOCS, projeto do Governo Federal, que se ocupa em viabilizar recursos para Canudos na área de poços artesianos, construção de barragens, limpezas de aguadas. O DNOCS trabalha ações de infraestrutura hídrica para combater os efeitos da seca, e do turismo especulador e educacional. Nesse caso, quem ganha são os hotéis que hospedam os pesquisadores e visitantes que passam por ali apenas para conhecer a cidade e a história do beato Conselheiro. 

Falando em Antônio Conselheiro nunca vi tanta devoção a uma pessoa, os canudenses veem o beato Conselheiro como santo. No município não há imagem de Cristo Redentor como em toda cidade do interior, mas há vários monumentos de Antônio Conselheiro. Lá existe o alto do Conselheiro, que é um lugar bem legal, os canudenses costumam ir para lá nos domingos, ali eles rezam e se divertem, tem igreja, área de lazer, barzinho, é um lugar bom para diversão. No meio da cidade se encontra a Igreja católica, um prédio moderno que traz em suas gravuras externas a vida de Antônio Conselheiro. Em Canudos tem Memorial, Santuário (chamam de museu na velha Canudos), enfim, tudo na região representa o beato. 

Lembrando os horrores da Guerra de Canudos, os descendentes dos participantes em sua maioria têm o beato como um santo ainda em vida, a fé no homem na região se mostra muito maior que a dos soteropolitanos para a irmã Dulce. O povo conta que ele fazia como Jesus fez, multiplicava o alimento para a população, que ficava muito satisfeita com o pouco que cabia a cada pessoa. Os moradores da Velha Canudos tiveram que ser transferidos para outra localidade há 26km da Canudos original, quando esta foi engolida pelas águas do rio Vaza Barris ao ser represado pela construção do açude. 

A transferência da população para outra localidade não mudou os sentimentos dos canudenses, que são apaixonados pelo beato e continuam vendo Antonio Conselheiro como um santo. No entanto, há também pessoas que não gostam do beato, são os descendentes de alguns sobreviventes da guerra de Canudos, os quais ouviram sempre daquele órfão que perdera sua família com idade entre 08 e 12 anos e crescera sozinho, esse abominava Conselheiro e ensinou aos filhos e netos que ficou só no mundo por causa dele. Há também outro grupo social que não gosta do beato: são os evangélicos, porque não aceitam que as pessoas orem para Conselheiro. 

A arte de Canudos é toda voltada para a sua história, o teatro, o artesanato, a música, enfim, o povo de lá respira o beato Conselheiro por todos os poros. Por conta de ser uma cidade histórica, Canudos está sempre visitada por emissoras de televisão do Brasil, dos países vizinhos e até da Europa, e seu povo já nem se importa com a “invasão”, a presença das equipes de programas educativos e comerciais às vezes até irrita os canudenses, pois as emissoras não trazem retorno financeiro para a população de forma generalizada. O fluxo de turistas não gera renda suficiente para sustentar a economia de uma cidade que ainda é dependente de Euclides da Cunha em certos momentos. Por exemplo, se acontece um assalto a banco, única modalidade na cidade (explosão de caixas eletrônicos) Canudos para por cerca de seis meses, e a renda local fica toda em Euclides, porque a população precisa ir lá para receber os salários, então já aproveitam para fazer suas compras. 

Em alguns aspectos os poderes públicos também se mobilizam na organização de Canudos, a UNEB organiza e administra o Parque Nacional de Canudos, que é aberto a visitação pública e os guias garantem seu sustento informando ao visitante sobre a historia do lugar. O DNOCS cuida da minimização da seca e a história garante a sobrevivência de alguns grupos sociais, como os empresários de hotelaria. Nos pontos turísticos e de preservação ambiental, Canudos tem uns personagens com personalidade e que dão o maior trabalho para o visitante, eu, por exemplo, não consegui vê-los. Quem são eles? São as ararinhas azuis de lear, elas saem da “toca” (montanhas onde moram), às seis da manhã, seguem para outras localidades e só retornam à noite. 

Na moral, Canudos é uma cidade pobre, mas, muito linda de visitar, é um lugar impregnado de história, de emoção, de fé e de humanidade. Os hotéis lotaram durante o Fórum de Cultura e as pessoas alugaram seus quartos em suas casas para não deixar os participantes na rua. É a solidariedade falando mais alto, é o sertanejo mostrando porque é forte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário