+ DE 20 obras

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Pistola que dá choque será usada por policiais no Carnaval de Salvador

A Polícia Civil vai capacitar delegados, escrivães e investigadores a operarem a pistola Taser M26, que será empregada no esquema de Segurança do Carnaval 2013.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o curso será oferecido pela Academia da Polícia Civil entre os dias 21 e 26 deste mês.

A arma não-letal de choque elétrico dispara cartuchos com dardos energizados.

Equipes dos departamentos de Crimes contra o Patrimônio (DCCP) e de Narcóticos (Denarc) receberão instruções sobre Policiamento em Grandes Eventos, e vão poder aprimorar o uso das pistolas.

Com duração de 60 horas, o treinamento será ministrado em dois turnos, durante seis dias, na sede da Coordenadoria de Operações Especiais (COE), no Aeroporto Internacional de Salvador. A atividade integra o Programa de Capacitação Contínua de Servidores Policiais, desenvolvido pela Acadepol. 

De acordo com o delegado Jardel Peres de Azevedo, um dos coordenadores do curso, trata-se de mais uma etapa preparatória para o Carnaval. “Vamos passar para eles a doutrina do uso diferenciado da força, imobilização policial, técnicas de policiamento em Grandes Eventos e utilização da pistola Taser”, enumera o delegado.

Um dos instrutores, José Marcos Rodrigues Pereira, habilitado pela Senasp - Secretaria Nacional de Segurança Pública, vai treinar o pessoal para o uso de pistola Taser.

O instrutor explica que o dardo disparado pela arma imobiliza o indivíduo, e permite que ele seja algemado e conduzido à uma unidade policial, evitando, dessa forma, o uso de arma letal. “A Taser é também conhecida como a arma da vida”, pontua José Marcos.

Além disso, os policiais receberão conhecimentos sobre abordagem e imobilização do indivíduo, de modo a evitar lesão.

O objetivo do treinamento, ressalta o delegado Jardel Peres de Azevedo, é preparar o policial para o atendimento ao cidadão, com mais qualidade e segurança, de modo a proporcionar mais tranquilidade à sociedade, sem o uso de força letal no circuito do Carnaval, evitando efeitos colaterais.

Existem dois modelos de taser:
Taser de contato: tem o formato semelhante ao de um celular e funciona com duas baterias de nove volts.

Seu funcionamento é simples: tem o corpo de plástico e possui numa da extremidades uma junção de seis a dez pinos metálicos, agrupado em pares, por onde é descarregada a corrente elétrica. Em um dos lados possui um gatilho, onde é efetuado o disparo.

Também possui uma chave, onde a arma pode ser ligada, desligada ou colocada em standby ("modo de espera"). O resultado na vítima depende da região atingida, podendo ser desde a dormência na área atingida ou até mesmo desmaio.

Taser de IEM (air taser): tem o formato semelhante ao de uma pistola (como o da imagem) e funciona pelo principio de IEM (interrupção elétrica intramuscular). Esse modelo possui 2 eletrodos, ligados a dois fios de cobre que podem ter quatro, seis, oito ou dez metros.

Ao disparar, ela lança os dois eletrodos, que ao atingir a vitima, aplicam uma descarga elétrica por 5 segundos, imobilizando o alvo. Após esse tempo, mantendo-se pressionado o gatilho, uma descarga é disparada a cada 1,5 segundo. Após o disparo, os eletrodos e os fios são descartados, sendo trocado para o próximo disparo. Pode-se acoplar ao taser uma lanterna tática e mira a laser, para evitar erros acidentais.

Este modelo, diferente do de contato, imobiliza a vitima, independente da resistência à eletricidade do alvo e da área atingida, pois devido à descarga ser intramuscular, age direto no sistema nervoso central (SNC), fazendo com que o alvo fique em posição fetal. Alguns modelos utilizam uma bateria descartável que permite até 120 disparos.

Outros utilizam uma bateria auxiliar recarregável que o operador leva preso à cintura em uma bolsa, semelhantemente ao coldre de uma pistola normal. No Brasil, seu uso é restrito às forças policiais, paramilitares e militares, sendo portanto proibido a compra, uso ou porte por civis.

Elas podem matar
Em 18 de março de 2012, o brasileiro Roberto Laudísio Curti, de 21 anos, morreu depois de ser atingido por eletrochoques disparados por armas taser da polícia de Sydney, na Austrália.

Outro caso é o do polonês Robert Dziekanski, em 14 de outubro de 2007. Ele morreu no Aeroporto Internacional de Vancouver, Canadá, após receber descargas elétricas com arma " taser ", disparadas pela Real Polícia Montada do Canadá (RCMP).

As Taser (armas de choques eléctricos) já mataram 334 pessoas desde 2001 nos Estados Unidos, números divulgados pela Anistia Internacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário