Respeita as Mina

Respeita as Mina

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

PALAVRAS de IRENE DÓRES: "Quem tirou doutor Pablo de Valença!?"

Irene Dóres
Depois de passar alguns dias recebendo pedidos de pessoas do bairro da Bolívia para falar sobre Dr. Pablo Federico Valiente, médico do programa “Mais Médicos”, que atuou naquele bairro e foi, segundo reclamos daquela população, expulso de Valença pela atual prefeita, para eles, de maneira abrupta. Resolvemos pesquisar, ouvir pessoas e a própria administração de Valença para dar aos valencianos em geral e habitantes do bairro da Bolívia a resposta à qual eles buscam para entender o que aconteceu. Em busca de uma explicação plausível percorremos salas, conversamos com funcionários da saúde e pesquisamos os documentos que versam sobre o fato.

No PSF da Bolívia ouvimos a enfermeira chefe Verônica e a agente de saúde Tânia que trabalhavam com Dr. Pablo. Elas informaram que Dr. Pablo Federico foi embora por responsabilidade própria, por não aceitar atender às normas existentes no programa, o que acabou desordenando o andamento do PSF e deixando parte da população da Bolívia em situação delicada, pois em virtude da grande procura de pessoas de todos os bairros pelo médico, os moradores do bairro tinham que chegar às 2 horas da manhã para conseguir ficha para atendimento com ele. A enfermeira Verônica diz: “Quando doutor Pablo veio pra Valença ele sabia que iria atuar no PSF e não poderia atender pessoas de outras regiões, porque cada médico tem sua área e cuida dela. Ele chegou uma pessoa boa e, de repente, começou a atender toda a comunidade”. A enfermeira reconhece que o médico errou por amor às pessoas de forma geral, contudo esse desprendimento gerou desequilíbrio na atuação do PSF, e apreensão nos trabalhadores, que sofriam ameaças dos pacientes que desejavam atendimento com o médico, inclusive a assistente social Ana Carolina informou que havia dias em que o médico ficava sozinho atendendo aos pacientes com o posto aberto até 23 horas.

A enfermeira chefe também informou que: “Os agentes comunitários do PSF não queriam trabalhar com ele por conta da demanda e da falta de organização causada na comunidade. Muitas vezes ele vinha com o aspecto higiênico deplorável. Tivemos diversas reuniões e, inclusive, antes desse acontecimento ele nos disse que iria parar, que iria caracterizar o PSF, que iria trabalhar direitinho”. 

Sobre a ida de Dr. Pablo para o Bonfim, Verônica e a Secretaria de Saúde dizem que nunca houve essa possibilidade, porque é preciso que haja uma estrutura adequada para se remover um médico do programa, além da existência da vaga no determinado lugar, e no Bonfim ainda não existe a vaga para o “Mais Médicos”, porém a prefeita pretende solicitar do Ministério da Saúde a criação do PSF da localidade, com a vaga do profissional para o atendimento daquela população.

A agente de saúde Tânia, que trabalhou diretamente com Dr. Pablo, contou que os agentes de saúde precisam visitar a unidade de atendimento sempre para identificar os pacientes de suas áreas de atuação e nessas visitas era comum encontrar pessoas de outros bairros na fila do atendimento. Relatou Tânia: “Em janeiro de 2015, uma senhora de outra localidade queria atendimento com Dr. Pablo, nós informamos que ela não poderia ser atendida por doutor Pablo, porque não estava na área de abrangência e oferecemos outro médico e ela se recusou dizendo que ele era burro. Eu disse que não daria a ela a ficha para ser atendida por doutor Pablo, porque havia outro profissional para atendê-la; ela disse que não precisava da ficha porque doutor Pablo iria atendê-la”. Segundo Tânia, ela e a enfermeira tentaram com o médico que ele mesmo informasse à senhora o motivo de não poder atendê-la e ele, sem nada responder, pegou seus pertences e foi embora deixando uma paciente plantada em sua sala sem qualquer explicação. Tânia confessou estar com certo medo, pois a senhora causadora da confusão a ameaçou de morte e a população da Bolívia está inconformada, pois ama Dr. Pablo e o quer de volta a qualquer custo.

Na Secretaria de Saúde conversamos com o diretor de saúde, Jorge o qual nos falou sobre o ocorrido, apresentando oficios e relatórios, disse Jorge: “Um certo dia, (27 de janeiro de 2015) Dr. Pablo chegou na secretaria e me informou através de oficio que gostaria de não mais ficar no município de Valença. Isso pegou a gente de surpresa porque até então tínhamos ele como um ótimo médico na comunidade e a gente não tinha nenhuma queixa dele, enquanto profissional. Em reunião com a secretária, ele falou novamente que queria o afastamento definitivo de Valença”. O diretor de saúde seguiu explicando que encaminharam a solicitação do médico ao Ministério da Saúde e os coordenadores regionais estiveram em Valença para averiguar a situação. Depois de dois pedidos de afastamento, da comunidade da Bolívia e da cidade de Valença, Dr. Pablo se arrependeu e tentou voltar atrás. Existem, inclusive, torpedos enviados por ele através da rede social facebook para a agente de saúde Tânia, pedindo perdão e revelando que se encontrava acometido de estafa, motivo pelo qual teria perdido o controle e abandonado o trabalho, e que se voltasse para o posto da Bolívia faria seu trabalho de forma mais tranquila.

Entre relatórios para o Ministério da Saúde justificando a saída do médico de Valença, e o arrependimento do mesmo pela atitude intempestiva que teve, no final do mês de março de 2015 o coordenador do Mais Médicos no Brasil, em Brasília, entrou em contato com a prefeita Jucélia Nascimento por telefone instituindo pela permanência do médico no município e no dia 30 de abril, o coordenador estadual do Programa Mais Médicos solicitou que a gestão tentasse dar uma nova chance ao profissional. Porém, a Secretaria da Saúde do Município, com toda autonomia que possui, disse não às solicitações em favor do médico, respondendo ao Ministério da Saúde que o médico apresentava ameaça à integridade física e mental da equipe da saúde da qual fazia parte. Diante desses fatos, foi solicitado o remanejamento do médico. No dia 11 de julho, a Secretaria da Saúde de Valença recebeu um oficio de Brasília tratando do remanejamento do médico Pablo Frederico Valiente, para a cidade de Vera Cruz,  assinado por Felipe Proença.

Das pessoas atendidas por Dr. Pablo que conversamos e que preservaremos a identidade para não colocá-las em evidência no atendimento médico familiar, foram unâmimes em dizer que o médico é um ser humano maravilhoso e que faz realmente um trabalho familiar nos moldes da medicina cubana. Ele atende no consultório de maneira muito humana e visita o paciente em sua casa, quando este precisa de um acompanhamento mais próximo. Os pacientes ouvidos dizem que mesmo gostando dos médicos que estão no atendimento, nenhum se compara ao Dr. Pablo.

Procuramos o Dr. Pablo para falar sobre o assunto, através de sua esposa Grazi Campos, e esta nos respondeu que o médico prefere ficar calado por enquanto, porque teria recebido ameaças dos assessores da administração. Nosso objetivo aqui é esclarecer à população carente sobre o real motivo da saída do médico de Valença, já que as pessoas acreditam ter sido ele injustiçado pela prefeita e nos procurado para “fazer alguma coisa”. Consultamos documentos, entrevistamos pessoas e estamos à inteira disposição do Dr. Pablo Valiente e da administração de Valença para qualquer direito de resposta.
(Irene Dóres: www.irenedoris.blogspot.com - crônicas, textos de teatro para escola e biografia da atriz)

Nenhum comentário:

Postar um comentário