Respeita as Mina

Respeita as Mina

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Descoberto “jardim zoológico” escondido de peixes fluorescentes...

Uma equipe de cientistas contabilizou quase duas centenas de espécies de peixes que, quando iluminados em luz azul e vistos com filtros amarelos, brilham nas mais diversas cores e padrões. É a primeira vez que a existência deste fenómeno, dito de biofluorescência, é observado de uma forma tão onipresente nos peixes. 

Os seus resultados foram publicados esta semana na revista online de acesso livre PLoS ONE.
“Já sabíamos há muito tempo que, debaixo d'água, organismos como os corais e as medusas – e em terra as borboletas e os papagaios – exibiam o fenômeno de biofluorescência, mas nos peixes os casos registados eram raros”, diz em comunicado John Sparks, curador do Museu Americano de História Natural (AMNH) e um dos dois principais co-autores do trabalho. “Mas esta é a primeira vez que alguém olhou para a ampla distribuição da biofluorescência nos peixes.”

A biofluorescência consiste na absorção de luz por um organismo, que a seguir a transforma e a reemite noutra cor. E a paisagem revelada pelas câmaras e as formas de iluminação desenvolvidas especialmente para este estudo foi, no mínimo, colorida. Para mais, dizem os autores, a possibilidade de serem agora descobertos novos pigmentos biológicos fluorescentes poderá ter aplicações de peso em biomedicina.

Tudo começou de forma fortuita, relata o mesmo comunicado, quando Sparks e o seu colega do AMNH, o biólogo David Gruber, estavam captando, ao largo das ilhas Caimão, imagens da fluorescência dos corais destinadas a integrar uma exposição itinerante daquele museu. Ao trabalhar as fotografias, os cientistas viram de repente surgir, tal um fantasma vindo de outro mundo, uma enguia verde fluorescente.

Foi a partir daí que, juntamente com colegas das universidades de Yale, do Kansas (ambas nos EUA) e de Haifa (Israel), e ainda com a colaboração de profissionais da fotografia e do vídeo e a ajuda de equipamentos sofisticados, estes cientistas realizaram mais quatro expedições – desta vez às águas tropicais das Bahamas e das Ilhas Salomão – para ver se encontravam mais espécies de peixes fluorescentes.

No mundo subaquático, o tom dominante é o azul, porque o resto do espectro visível é absorvido pela água à medida que a profundidade aumenta. Mas de fato, muitos peixes absorbem por sua vez essa luz azul e reemitem-na tal como tubos de néon verdes, vermelhos ou cor de laranja. Porém, esse autêntico jogo de luzes submarino é invisível à vista desarmada: só pode ser visto em luz amarela.

Portanto, para conseguir ver essas cores, a equipe realizou mergulhos noturnos durante os quais iluminou a água com luz azul de alta intensidade e registou tudo com câmaras dotadas de filtros amarelos. “Graças ao desenvolvimento de uma forma de iluminação que simula o ambiente luminoso do oceano e de câmaras capazes de capturar a luz fluorescente dos animais, conseguimos vislumbrar este universo biofluorescente escondido”, salienta Gruber.

Este “jardim zoológico” de peixes fluorescentes inclui peixes cartilaginosos (tais como tubarões e arraias) e também peixes de esqueleto ósseo como as enguias e muitos outros. Trata-se frequentemente de espécies que vivem nos recifes de corais e que são exímias, graças aos padrões de cores que exibem na pele, na arte da camuflagem. Entre os peixes estudados nos diversos ambientes naturais e os que os cientistas puderam observar em aquários (também na escuridão da noite), a lista totaliza mais de 180 espécies. Dos tubarões às arraias, dos tamboris aos cabozes, das enguias aos peixes-cirurgião, dos cabeçudos aos peixes-pedra, toda esta fauna se transforma, nas condições certas, num mundo de cores cintilantes.

Os cientistas pensam que os peixes utilizam essa sua capacidade para efeitos de comunicação e de acasalamento. Isto porque também observaram que a maioria dos peixes que brilham têm, justamente, filtros amarelos nos olhos – o que lhes permite ver os seus congêneres fluorescentes. “Os cabozes, os peixes-chatos, as enguias e os rascassos, que recorrem à camuflagem, são animais que nunca conseguiríamos ver durante um mergulho”, nota Sparks. “Para os nossos olhos, eles fundem-se literalmente com os que os rodeiam. Mas para um peixe dotado de filtros intraoculares amarelos, devem sobressair como o nariz na cara.”

“Muitos organismos – e em particular muitos peixes – das águas pouco profundas dos recifes têm a capacidade de detectar a bioflurescência e poderão estar a usá-la (...) para encontrar os seus parceiros sexuais e para se camuflarem”, acrescenta Gruber. Alguns dos padrões de emissão fluorescente são específicos da espécie.

Uma outra conclusão a que os cientistas chegaram foi que os padrões de biofluorescência são extremamente variáveis: podem ser apenas anéis à volta dos olhos, mas também muco verde segregado pelos peixes e até há padrões de fluorescência muito complexos, externos mas também internos, que abrangem todo o corpo do peixe.

Uma potencial consequência dos resultados é que poderão abrir caminho à descoberta de novas proteínas fluorescentes. Ora, vale a pena lembrar que, em 2008, o Prêmio Nobel da Química foi atribuído a três cientistas pela descoberta e a utilização de uma proteína fluorescente, produzida por uma pequena medusa que vive ao largo da costa oeste da América do Norte, no estudo microscópico dos organismos vivos. A proteína, designada GFP, esteve na origem de uma revolução na biologia, porque permitiu ver o invisível: tumores prematuros, neurônios a desenvolver-se no cérebro e proteínas iniciando o seu trabalho dentro das células vivas. E hoje, o uso da GFP tornou-se tão generalizado, que até serve nas artes plásticas e para fazer brinquedos fluorescentes.

“A descoberta de uma proteína verde fluorescente numa medusa nos anos 1960 forneceu uma ferramenta revolucionária aos biólogos, transformando o estudo de tudo e mais alguma coisa, desde o do vírus da aids até ao dos mecanismos cerebrais”, diz Gruber. “O nosso estudo sugere que a biofluorescência dos peixes poderia representar um reservatório muito rico de novas proteínas fluorescentes.”

Veja o vídeo sobre o projecto (em inglês) aqui.
(www.publico.pt)

Nenhum comentário:

Postar um comentário